9 de jan de 2013

A recepção do Vaticano II no Brasil e na América Latina

Apresentamos abaixo artigo escrito pelo Teólogo Leonardo Boff, no Jornal do Brasil, onde o mesmo irá abordar a receptividade do Concílio Vaticano II no Brasil e na América Latina.


Celebramos 50 anos do Concílio Vaticano II (1962-1965). Ele representa uma ruptura do curso que a Igreja Católica vinha percorrendo por séculos. Era uma Igreja, fortaleza sitiada, defendendo-se de tudo o que vinha do mundo moderno, da ciência, da técnica e das conquistas civilizatórias como a democracia, os direitos humanos e a separação entre Igreja e  Estado.

Mas uma lufada de ar fresco veio de um papa ancião, do qual  nada se esperava: João XXIII (+1963). Ele abriu portas e janelas da Igreja. Disse: ela não pode ser um museu respeitável; ela tem que ser a casa de todos, arejada e agradável para se viver.

Antes de mais nada, o Concílio representou, na linguagem cunhada por João XXIII, um aggionamento, quer dizer, uma atualização e uma reconstrução de sua  autocompreensão e do tipo de presença no mundo. Mais que sumariar os elementos principais introduzidos pelo Concílio, interessa-nos como este aggiornamento foi acolhido e traduzido pela Igreja latino-americana e pelo Brasil. A esse processo se chama de recepção, que significa uma releitura e um refazimento das intuições conciliares dentro do contexto latino-americano, bem diferente daquele europeu, no qual se elaboraram todos os documentos. Enfatizaremos apenas alguns pontos essenciais.

O primeiro, sem dúvida, foi a profunda mudança de atmosfera eclesial: antes predominava a “grande disciplina”, a uniformização romana e o ar sombrio e antiquado da vida eclesial. As Igrejas da América Latina, da África e da Ásia eram Igrejas-espelho daquela romana. De repente, começaram a sentir-se  Igrejas-fonte. Podiam se inculturizar e criar linguagens novas. Agora se irradia entusiasmo e coragem de criar.  

Em segundo lugar, na América Latina se deu uma redefinição do lugar social da Igreja. O Vaticano II foi um Concílio universal mas na perspectiva dos países centrais e ricos. Aí se definiu a Igreja dentro do mundo moderno. Mas existe um submundo de pobreza e de  opressão. Este foi captado pela Igreja latino-americana. Esta deve se deslocar do centro humano para as periferias sub-humanas. Se aqui vigora opressão, sua missão deve ser de libertação. A inspiração veio das palavras do papa João XXIII: “A Igreja é de todos, mas principalmente quer ser uma Igreja dos pobres”.

Esta viragem se traduziu nas várias Conferências episcopais latino-americas, desde Medellin (1968) até Aparecida (2007), pela opção solidária e preferencial pelos pobres. Ela se transformou na marca registrada da Igreja latino-americana e da teologia da libertação.

Em terceiro lugar, é a concretização da Igreja como Povo de Deus. O Vaticano II colocou esta categoria antes daquela da Hierarquia. Para a Igreja latino-americana, Povo de Deus não é uma metáfora; a grande maioria do povo é cristã e católica, logo é Povo de Deus, gemendo sob a opressão como outrora no Egito. Daí nasce a dimensão de libertação que a Igreja assume oficialmente em todos os documentos de Medellin até Aparecida. Esta visão da Igreja-Povo-de-Deus ensejou o surgimento das  Comunidades Eclesiais de Base e das pastorais sociais.

Em quarto lugar, o Concílio entendeu a Palavra de Deus, contida na Bíblia como a alma da vida eclesial. Isso foi traduzido pela leitura popular da Bíblia e pelos milhares e milhares de círculos bíblicos. Neles os cristãos comparam a página da vida com a página da Bíblia e tiram conclusões práticas, na linha da comunhão, da participação e da libertação.

Em quinto lugar, o Concílio se abriu aos direitos humanos. Na América Latina foram traduzidos como direitos a partir dos pobres e por isso, antes de tudo, direito à vida, ao trabalho, à saúde e à educação. A partir daí se entendem os demais direitos, ir e vir e outros.

Em sexto lugar, o Concílio acolheu o ecumenismo entre as Igrejas cristãs. Na América Latina o ecumenismo não visa tanto a convergência nas doutrinas mas a convergência nas práticas: todas as Igrejas juntas se empenham pela libertação dos oprimidos. É um ecumenismo de missão.

Por fim, dialoga com as religiões vendo nelas a presença do Espírito, que chega antes  do missionário, e por isso devem ser respeitadas com  seus valores.

Por fim, cabe reconhecer: a América Latina foi o continente onde mais se tomou a sério o Vaticano II e mais transformação trouxe, projetando a Igreja dos pobres como desafio para a Igreja universal e para   todas as consciências humanitárias.

Fonte: Jornal do Brasil de 26/11/2012
            Leonardo Boff