23 de set de 2011

Há Primavera também na Bíblia!

Todos nós sabemos que a Primavera é  uma época em que ocorre o florescimento de várias espécies de plantas.  É  um período em que a natureza fica bela, presenteando-nos com flores coloridas e perfumadas. O motivo deste florescimento é o início da época de reprodução de muitas espécies vegetais, é a preparação para as vidas que serão geradas. Mas então, fica aqui um questionamento: em que se assemelham a Bíblia e a Primavera? Será que ambas teriam algo em comum?

Assim como a beleza da natureza desperta na Primavera e traz para nós grandes momentos de encantamento, na Bíblia também há vários episódios que têm a função de despertar em nós, cristãos, a beleza da fé, da admiração e da alegria. Para ilustrar esse argumento, faremos algumas comparações, citando passagens bíblicas de grande magnitude e colocando-as em canteiros de algumas flores que se destacam na Primavera.

Primeiramente, o canteiro das rosas. Que beleza! Que perfume! Não lembrariam elas a belíssima cena da mulher lavando e enxugando com os cabelos os pés do Mestre ( Mt, 26, 6-13)? Que ensinamento maravilhoso o Senhor nos dá através da aceitação desse gesto: a mulher condenada por muitos, tão bem aceita por Ele. Precisamos estar sempre nos lembrando desse episódio para superar as diferenças e nossas atitudes de discriminação e preconceito.

O canteiro dos girassóis! Sempre voltados para o Astro-rei! Poderíamos compará-los ao episódio de Zaqueu (Lc, 19, 1-10), que procurou um melhor lugar para ver Jesus. E o Mestre, na sua infinita bondade, reconheceu naquele pequeno homem um coração onde poderia ser plantado o arrependimento e assim fez brotar o amor, iniciando aí uma nova vida. Assim também foi o milagre da mulher com hemorragia (Mt 9, 20-22), que buscou a todo custo ao menos um toque na orla da veste de Jesus. Que encantamentos nos trazem a fé dos que acreditam e estão sempre querendo encontrar Jesus.

O canteiro das margaridas! Que mimo, que singeleza! Lembrariam elas, pela sua docilidade, o episódio de Marta e Maria? (Lc, 10, 38-42). Uma que se preocupou em embelezar o ambiente para receber com todo carinho a Jesus, e a outra que, sentada aos pés do Mestre, embevecia-se com a sua Palavra. Que beleza de ensinamento! Sejamos sempre os ouvidos de Maria e os braços de Marta. Ouvidos para escutar e acolher a Palavra e mãos para servir.

Enfim, o canteiro das violetas, frágeis violetas! Não poderiam estas ser comparadas à fragilidade dos discípulos ao verem Jesus caminhar sobre o mar (Mc, 6, 49-56)?   Imaginemos a cena: o assombro, a dúvida! Mas o Mestre, sábio e conhecedor de todos os corações, os acalmou e pacientemente continuou mostrando para que tinha vindo: curar e tocar nos corações dos que sofriam e careciam da sua misericórdia.

Está na hora de despertamos a Primavera da fé nos nossos corações e criar um jardim com canteiros de aceitação, de humildade e de paciência. Plantando a Palavra em nossos corações, cultivaremos a Paz e estaremos dando um grande passo para a construção do Reino de Deus na Terra!   




Maria Lúcia Andrade Souza Campos
Paróquia Cristo Redentor
Arquidiocese de feira de Santana-Bahia

Um comentário:

  1. Muito belo e sábio, sabedoria nas pequenas coisas onde se encontra a verdadeira força de Deus.

    ResponderExcluir